Menos vinho na campanha de 2016 em relação a 2015

O Instituto da Vinha e do Vinho estima que a produção de vinho na campanha 2016/2017 atinja um volume de 5,6 milhões de hectolitros, o que se traduz numa diminuição de 20% relativamente à campanha 2015/2016.

O decréscimo global de produção, em relação à campanha anterior, é sustentado por todas as regiões vitivinícolas, à excepção da região do Algarve onde não se prevê variação.
É nas regiões de Lisboa, de Trás-os-Montes, do Douro e dos Açores, onde se antecipam as maiores quebras de produção, superiores a 25%, face à campanha anterior.

É claro que a campanha de 2015 foi extraordinária em quantidade assim como em qualidade. Também se sabe que estatisticamente, é muito difícil que um ano fantástico se repita imediatamente no ano seguinte.
Mas não é só em Portugal que a produção de vinho na campanha 2016/2017 decresce face à campanha do ano anterior. Segundo a Idealwine, ver aqui, em muitos outros pontos do mundo haverá uma baixa significativa na produção da bebida de Baco.

O Hemisfério sul e os países do Novo Mundo acusam igualmente uma baixa de recolhas. O Chile, por exemplo, sofrerá uma baixa de 25% em relação à produção de 2015 com um volume estimado entre as 8 e 9 milhões de hectolitros, devido nomeadamente por causa das chuvas torrenciais provocadas pelo El Nino. Igualmente na Argentina a produção diminuiu 30% em relação ao ano passado e de 35% em relação à média do decénio. Mas se nos concentrarmos no Malbec (a casta principal na Argentina) a diminuição será de 50% sendo a responsabilidade, de novo, atribuída ao El Nino. Na África do Sul, a baixa de produção é menor limitando-se a 7% com 10,7 milhões de hectolitros. Na Califórnia a colheita é superior a 2015, mas, apesar disso, inferior à média dos últimos anos.
Na Oceânia pelo contrário, as colheitas foram superiores ao ano precedente sobretudo na Nova Zelândia com mais 34%.

Na Europa, em geral, as previsões da colheita estão para baixo, embora isso não seja geral.
Em Espanha, por exemplo, existe a previsão de mais ou menos45 milhões de hectolitros. Um número que se deve principalmente a um aumento constante das taxas de rendibilidade ao longo dos últimos quinze anos, o que compensou em grande parte a redução na área da vinha (passando de 1,2 mil milhões de hectares para 958 777 hectares entre 2000 e 2015). Em França, de acordo com as primeiras estimativas do Ministério da Agricultura, a colheita do vinho em 2016 seria de 44 milhões de hectolitros , uma queda de 8% em relação a 2015 e 4% inferior à média do últimos cinco anos.E quem é o responsável? O clima de novo, com a geada de Primavera e granizo em Charentes, Borgonha e Beaujolais.

IMG_4389

Nós aqui no Blogue do Syrah, a única coisa que pedimos é que o Syrah, quer no mundo e sobretudo em Portugal, consiga escapar por entre “os pingos da chuva” como se costuma dizer, embora não temos dúvidas que o ano de 2016 vai ser tendencialmente pior em quantidade e também muito provavelmente em qualidade do que o ano de 2015, que se está a revelar excepcional a todos os níveis, embora nichos de qualidade possam sempre surgir onde menos se espera… cá estaremos para contar como foi e será!


 

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.